4 empreendedores que alcançaram o sucesso depois da crise

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype

Gran Steak 500×300

Para muitos empresários, o momento é pouco animador. A crise causada pelo avanço do novo coronavírus derrubou as vendas de grande parte dos setores e coloca em risco a sobrevivência de milhares de negócios no mercado.

No Brasil, a situação é especialmente crítica. De acordo com a Global Entrepreneurship Monitor (GEM), por aqui quase 50% das empresas nascem por necessidade. Isso significa que os seus fundadores só começaram um negócio porque não conseguiram uma oportunidade no mercado de trabalho e, por isso, viram na abertura do empreendimento a única saída para sobreviver. Para eles, a queda no desempenho da empresa gera impactos ainda maiores às finanças pessoais, além de gerar desânimo e grande preocupação.

Mas, apesar de estarmos enfrentando uma pandemia nova, passar por períodos de profunda crise não é novidade para aqueles que empreendem por mais tempo. Anos atrás, alguns empresários também atravessaram períodos difíceis e não davam qualquer sinal de que seriam bem-sucedidos; mas contrariaram as expectativas e construíram empresas de sucesso que, hoje, são conhecidas no mundo todo. Que tal conhecer algumas histórias e se inspirar?

1 – Alberto Saraiva (Habib’s)

Os pais de Alberto Saraiva, criador da rede Habib’s, moravam em Veloza, uma pequena aldeia de Portugal. Lá, viviam em uma casa sem geladeira e feita de pedra. Em busca de uma vida melhor, eles vieram para o Brasil em 1953. Na capital de São Paulo, a família montou uma pequena padaria.

Aos 20 anos, Alberto descobriu que seu pai havia sido assassinado em um roubo no estabelecimento. Muito arrasado, ele assumiu a padaria, mas a empreitada não foi nada fácil. A localização do comércio era ruim e os fornecedores se aproveitavam de sua falta de experiência para o enganar.

Mas Saraiva não desistiu. Ele continuou se esforçando para aprender mais do negócio e adotou uma estratégia para atrair clientes: colocou os preços lá embaixo. Com o passar do tempo, a padaria se tornou a melhor do bairro, e essa ideia é usada ainda hoje no Habib’s.

Um dia, um senhor pediu emprego a Saraiva, contando que sabia fazer diversas comidas árabes. Ele o contratou e aprendeu mais dessa culinária. Mais tarde, em 1988, negociou um imóvel e abriu sua primeira unidade do Habib’s. Esse foi o início da enorme rede de cozinha árabe.

2 – J.K. Rowling (Harry Potter)

A britânica Joanne Rowling sempre gostou de ler. Seu sonho era ser escritora, mas seus pais esperavam que ela tivesse uma carreira “mais segura”. Mesmo assim, ela se formou em Letras.

Sete anos depois de conquistar o diploma, a escritora passava pelo momento mais difícil de sua vida: estava recém-divorciada, desempregada e com uma filha pequena para cuidar. Neste período, enquanto a bebê cochilava, Joanne escrevia o rascunho de uma obra que viria a ser o primeiro livro da série Harry Potter.

Depois de completar o material, Joanne o enviou para mais de 10 editoras. Todas reprovaram o conteúdo. Mas, em 1996, a editora Bloomsbury fez uma oferta e publicou “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, com poucas expectativas de sucesso. Todos os livros da série foram best-sellers e, hoje, Rowling é uma das mulheres mais ricas do Reino Unido. Até hoje ela é grata por sua época de fracasso e afirma que, se tivesse uma carreira estável, não teria tido incentivo suficiente para continuar fazendo o que realmente ama: escrever.

3 – José Diniz (SER Educacional)

Atualmente, José Diniz é dono de um dos maiores grupos educacionais do Nordeste. Mas engana-se quem pensa que sua carreira sempre foi bem-sucedida.

De origem humilde, a família de Diniz se mudou da Paraíba para o Mato Grosso do Sul quando ele tinha apenas oito anos de idade. Assim que chegou ao estado, o menino começou a trabalhar como engraxate. Mas a atividade não durou muito tempo, pois ele descobriu que seus amigos faturavam mais vendendo laranjas e resolveu tentar. O problema é que José Diniz não sabia que as frutas tinham uma produção sazonal, e o plano foi frustrado. Sem enxergar outra alternativa, José Diniz resolveu vender picolés, mas o trabalho também era pouco rentável.

Quando ele tinha 14 anos, sua família decidiu se mudar para Rondônia. Para conseguir estudar, Diniz resolveu ir para Recife, onde conseguiu cursar Direito na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). No novo estado, ele montou seu primeiro negócio formal: uma empresa de cobrança, que foi à falência em pouco tempo.

Foi então que José Diniz prestou concurso para ser magistrado e, depois de algumas reprovações, passou. Em 1994, ele fez o que realmente queria: criou um empreendimento educacional, oferecendo cursos preparatórios para concursos públicos. Em 2003, a empresa expandiu as operações e começou a oferecer cursos de graduação, pós-graduação e ensino técnico para estudantes de média e baixa renda, o que viria a ser o grande foco do grupo, que tornou-se um dos mais reconhecidos do país.

4 – Howard Schultz (Starbucks)

Howard Schultz nasceu no Brooklyn, em Nova York, em 1953. A casa da família era parte de um projeto habitacional do governo. Sua mãe era recepcionista e seu pai fazia diversos trabalhos temporários.

Quando Schultz tinha sete anos, seu pai quebrou o tornozelo ao fazer uma entrega. A família de Schultz ficou sem recursos até para comprar alimentos. Alguns anos depois do acidente, o pai de Schultz morreu.

No colegial, ele conseguiu uma bolsa e foi o primeiro da sua família a cursar o ensino superior. Na época, trabalhava em uma empresa de máquinas de café que tinha como cliente a cafeteria Starbucks. Em Seattle, ele foi conhecer a rede e virou diretor de marketing do negócio – o que incluía uma participação na Starbucks.

Em uma viagem a Milão, Schultz notou que as cafeterias adotavam uma estratégia de atendimento mais intimista, e muitos funcionários conheciam seus clientes por nome. Quando voltou aos Estados Unidos, propôs aos sócios da Starbucks a ideia de praticar esse modelo, mas ninguém acreditou nesse formato. Então, Schultz resolveu começar seu próprio negócio.

Algum tempo depois, os mesmos sócios estavam vendendo a Starbucks. Schultz comprou as unidades, juntou-as com as da sua própria empresa e fundou seu império sob o nome Starbucks.

Gostou de conhecer essas histórias? Separamos cada uma delas para mostrar que os momentos de grandes dificuldades fazem parte da vida de todo empreendedor e, muitas vezes, as adversidades são as maiores responsáveis pelo sucesso dos negócios.

Com o apoio das pessoas certas, a  sua empresa também pode enfrentar momentos de crise e chegar mais longe. Que tal fazer parte da comunidade de empreendedores da ACSP para conhecer de perto a realidade de outros empresários e aproveitar todas as vantagens de ser um associado? Clique aqui e conheça os benefícios exclusivos.

 Por ACSP

Leia Mais