radio-wsports
Clique e ouça aqui!

“A instituição nunca morre, temos que prosseguir com ajudas relevantes”

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype

Na última terça-feira (29), após a confirmação do trágico acidente aéreo com a aeronave que transportava a delegação da Associação Chapecoense de Futebol, além de profissionais de diversos veículos de comunicação, o São Paulo e outros clubes entenderam que o momento é de união, apoio e auxílio à Chapecoense. E nesta quarta (30), o diretor executivo de futebol Marco Aurélio Cunha afirmou que o Tricolor seguirá engajado para ajudar a equipe catarinense e todas as famílias afetadas no acidente.

“Estou constrangido, magoado e sofrido por tudo que aconteceu com a Chapecoense. A instituição nunca morre, temos que ajudar a prosseguir com ajudas relevantes. Vou emprestar que atleta? Um atleta que eu não quero? Só vou ajudar com coisas boas, positivas, e não com algo que não seja ajuda verdadeira. Isso é uma obrigação”, afirmou o dirigente são-paulino, que acrescentou.

Bodytech 300X200

“A parte que mais me toca é o depois, o que virá depois para as famílias desses jogadores, que eram o apoio de tudo. Um jogador que termina o contrato em dezembro, como ficará sua família? Além de falecido, contrato expirado. A ajuda primária, maior, deve ser para as famílias devastadas pelo acidente. Quem vai cuidar dos filhos dos jogadores? O presidente Leco deu uma ideia, ontem (terça-feira), de fazer um fundo que pudesse suprir os contratos por um tempo. Vejo o lado das pessoas que vão sofrer a falta de um status que os jogadores podiam dar”, completou.

Durante a coletiva de imprensa desta manhã, no Centro de Treinamento da Barra Funda, Marco Aurélio Cunha revelou que o elenco tricolor também manifestou o interesse em homenagear o clube catarinense, que contava com dois atletas que já vestiram o São Paulo: o lateral-direito Mateus Caramelo (estava emprestado) e o meio-campista Cléber Santana.

“Ajudar a instituição é um dever da CBF, dos clubes, mas ela vai continuar. Quem não vai continuar são os provedores dessas famílias. Toda homenagem emocional é intempestiva e não se raciocina bem. Nossos atletas pensam em fazer algo que será dito no futuro, e obviamente vamos compor e estaremos juntos, nessa última rodada, homenageando a Chapecoense da forma que for mais sóbria, sem transformar homenagem em publicidade. É uma grande diferença”, finalizou.

Fonte: Agência São Paulo

Leia Mais

W Sports

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *