Croácia e França com força total na final da Copa do Mundo FOTO REUTERS Maxim Shemetov

Croácia e França com força total na final da Copa do Mundo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on skype

Croácia e França fazem nesse domingo (15) a final da Copa do Mundo 2018, na Rússia. Enquanto a primeira busca um título inédito, a segunda busca seu segundo, na terceira final.

Os treinadores Zlatko Dalic (Croácia) e Didier Deschamps (França) terão força total para a disputa final, podendo escalar os times que acharem melhor e que irão satisfazer suas ideias dentro de campo.

Começando pelos croatas, o último treino teve apenas 15 minutos abertos à imprensa e nesse período os jogadores apenas aqueceram. A expectativa é que o treinador Dalic leve a campo a escalação que tem começado os últimos jogos.

Craque da equipe e considerado por muitos o melhor jogador do mundial, o meio-campista Luka Modric disse que o objetivo principal é coletivo e que não liga para o individual. “Repeti várias vezes que estou focado apenas no sucesso da Croácia. Quando você é mencionado nesse contexto, é muito bom e um orgulho. Mas não me preocupo com isso. Quero que meu time ganhe a Copa do Mundo amanhã. O resto está fora do meu controle. Quero o sucesso do meu time. O individual não é minha prioridade. Nunca duvidei de mim mesmo. Sempre acreditei que podia chegar onde cheguei. Agora estou realizando. Essa é a motivação para mim. Estou feliz. Eu gosto de jogar futebol”.

Parceiro de Modric no meio de campo, Ivan Rakitic disse que se tivesse de encerrar a carreira com o título, não pensaria duas vezes. “Se o preço a pagar for este, eu penduro as chuteiras na segunda-feira. Minha posição pode ser de lateral direito, ou pode ser sentado ao lado do técnico no banco, tanto faz. Eu só quero ajudar meus irmãos a conquistar esse título. Porque não somos só os que vamos jogar: agora seremos 4 milhões de pessoas em campo”.

No lado francês, Deschamps também deve repetir a escalação que vem utilizando no mata-mata. Ele deu a receita para o título na última coletiva. “Temos que manter a calma, a confiança e a concentração”. “As partidas pertencem aos jogadores, o meu sucesso está ligado ao sucesso deles. Quando você joga, gasta energia na parte física, mas o treinador tem a parte mental, psicológica. É um tipo de competição diferente para nós”, completou o treinador, que pode se tonar o terceiro a ser campeão como jogador e treinador (Zagallo e Beckembauer anteriormente).

Capitão, o goleiro Lloris elogiou o adversário da final. “Jogaremos contra um adversário de muita qualidade, que demonstrou qualidades físicas e mentais incríveis. Eles mostraram valores ao longo do torneio, passaram três vezes seguidas por prorrogações. Então há algo de muito especial nessa equipe. Além do talento individual, eles têm uma força coletiva incrível. Temos muito respeito por eles – afirmou o goleiro, que também teve de responder, obviamente, sobre a derrota de 2016”.

O goleiro, inclusive, chegará aos 15 jogos em Copas e superará Michel Platini, ficando na terceira posição, atrás de Barthez e Henry, com 17 jogos cada e Thuram, com 16.

 

Times titulares prováveis:

França: Lloris, Pavard, Umtiti, Varane e Hernandez; Kanté, Pogba e Matuidi; Griezmann, Mbappé e Giroud.

Croácia: Subasic, Vrsaljko, Vida, Lovren e Strinic; Modric, Brozovic, Rakitic, Rebic e Perisic; Mandzukic.

 

Wilson Rocha

W Sports / Futebol Interior

Foto: REUTERS/Maxim Shemetov

Leia Mais

W Sports
Espaço Publicitario