Dica Bodytech – Excesso de proteína pode afetar saúde, diz estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on skype

Para conquistar aquele corpo sarado e com os músculos bem definidos é preciso muito treino e uma dieta bem balanceada. Na rotina de alimentação de quem quer virar “monstro”, a proteína é ingrediente principal, seja nas refeições ou na suplementação. Mas você sabia que o excesso dessa enzima no organismo pode ser prejudicial à saúde e causar doenças?

É muito comum ver pessoas que treinam diariamente consumir carnes, ovos, grão de bico e quinoa em grande quantidade. Isso acontece pois esses alimentos são ricos em proteínas essenciais para o reparo muscular e estímulo à hipertrofia. Essa macromolécula passa por um processo de quebra no sistema gastrointestinal e é absorvida na forma de aminoácidos livres no intestino.

Atletas que consomem pouca proteína acabam com um balanço nitrogenado negativo, que resulta em catabolismo (ou ruptura) dessa enzima e recuperação mais lenta. Ao longo do tempo, a baixa ingestão resulta em diminuição de massa muscular, lesões, dor e intolerância ao treino. Mas, por outro lado, o alto consumo pode causar envelhecimento das células.

Estudo desenvolvido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em parceria com universidades da Austrália e Inglaterra, indica que exagero de proteína pode causar prejuízo à saúde

A bióloga e professora que encabeçou a pesquisa, Viviane Alves, aponta que, quando há um excesso de proteína esporádico para a célula, ela consegue manipular bem, mas, se isso for recorrente, não existe manipulação e nem metabolização adequada. 

De acordo com reportagem transmitida pelo Jornal Hoje, da Rede Globo, a cientista explica que esse processo é como se célula apresentasse uma pane e ela começasse a mostrar certo estado de exaustão, o que pode ocasionar o aparecimento de doenças tradicionalmente associadas à velhice, como o Alzheimer. 

Qual a quantidade necessária de proteínas para uma pessoa adulta e saudável?

A endocrinologista Priscilla Martins indica que a ingestão depende do nível de atividade. Em pessoas pouco ativas, a ingestão de 0,8 e 1,0 g/Kg por dia de proteína é suficiente, mas, para as que praticam atividades físicas, recomenda-se o consumo de 1,2 a 2,0 g/Kg por dia para formar e manter os músculos.

Uma refeição ideal para uma pessoa de 60 Kg, por exemplo, precisa ter 50g de arroz/ 10g de proteína; 50g de feijão/ 5g de proteína; 140g de frango/ 45g de proteína. Nesse prato há enzimas protéicas suficientes para um dia inteiro. E que tal fazer umas contas? Quantos ovos você inclui no seu plano de alimentação diário, já que uma unidade possui 7g de proteína?

Priscilla concorda que o exagero na quantidade de proteína não é necessário e pode ser prejudicial. Porém, segundo ela, vários estudos mostram que consumir uma quantidade maior de proteína (2,0 g/Kg), para pessoas que não apresentem contra-indicações, é seguro e pode ser benéfico, especialmente para quem pratica atividades físicas, crianças e idosos.

“Seria muito precipitado e irresponsável afirmar, com um estudo experimental, que a ingestão de maior quantidade de proteína cause doenças relacionadas ao envelhecimento. Na minha prática clínica, o que observo, é que as pessoas consomem menos proteínas do que o recomendado e isso traz consequências graves como a sarcopenia (diminuição de massa muscular)”, contesta a médica.

Crianças e idosos são os que mais precisam ingerir proteínas em boa quantidade

A matéria transmitida pelo Jornal Hoje e Priscilla Martins afirmam que é muito importante a ingestão dessas macromoléculas na infância e na velhice, pois são fases da vida que necessitam de um auxílio maior na construção e reconstrução muscular, respectivamente.  

“Um dos maiores problemas da população idosa, que gera consequências metabólicas, como maior predisposição a diabetes e colesterol alto, e de locomoção, como diminuição de autonomia e aumento do risco de osteoporose e fraturas, é a perda da massa muscular. Na infância, os aminoácidos provenientes das proteínas são muito importantes para o crescimento e desenvolvimento de músculos”, completa.

Independente da idade ou do estilo de vida, é essencial que crianças, adultos e idosos tenham uma alimentação equilibrada com todos os nutrientes, vitaminas e proteínas adequados às necessidades de cada um. Mas, se houver um objetivo específico e for preciso consumir maiores ou menores doses de alimentos na dieta diária, consulte um nutricionista ou um médico. Tenha o acompanhamento preciso, cuide bem da saúde e respeite os limites do corpo sem exageros.

Leia Mais

W Sports
Espaço Publicitario