É CAMPEÃO! Vôlei Ribeirão vence de virada e conquista a Superliga B

O Vôlei Ribeirão é o grande campeão da Superliga B 2018! Com uma vitoria por 3 sets a 1, de virada, sobre o Vôlei UM Itapetininga-SP, o Cavalo Ace garantiu a medalha de ouro, numa Cava do Bosque lotada.

Desde antes do jogo, o clima era de festa. A torcida de Itapetininga compareceu em peso e recebeu os jogadores com um grande corredor na porta do ginásio. Da parte da torcida da casa, nada mais do que a já esperada recepção com muita festa e barulho. Mais uma vez a quadra teve uma energia muito forte e uma pressão ensurdecedora vinda da torcida ribeirão-pretana.

No primeiro set, um jogo muito equilibrado e literalmente construído ponto a ponto. Nenhuma das equipes conseguiu abrir mais de três pontos de diferença, com as duas recepções trabalhando bem. Ribeirão até abriu certa vantagem numa boa sequência de Jotinha no saque e chegou a 18/15 e com o apoio do bloqueio. Porém, logo após um pedido de tempo, Itapetininga empatou e passou a frente em 21/20. Daí para frente, novo equilíbrio, mas em dois erros consecutivos de recepção do Cavalo, Itapetininga fez 24/22 e num lance polêmico, fechou o set em 25/23. Polêmico pois no saque de Gabriel, que foi para fora da quadra, a bola teria resvalado na recepção, o que gerou muita reclamação por parte do técnico Marcos Pacheco e do time da casa.

Segundo set novamente equilibrado, com a construção ponto a ponto. Itapetininga teve uma vantagem inicial e chegou a estar na frente por 11/9, quando o Vôlei Ribeirão conseguiu marcar três pontos consecutivos de bloqueio, contando também com bons saques de Rafael. Daí para frente, Ribeirão foi administrando a diferença, sempre contando com o ótimo bloqueio de Giovanni e Rafael. No final, um erro de saque de Itapetininga fez Ribeirão chegar aos 24/20. A vitória no set veio com João Paulo, 25/21.

Terceiro set novamente teve muita emoção. Mais uma vez, o começo foi desenvolvido no ponto a ponto, isso até Ribeirão chegar aos 19/16. Mais alguns pontos jogados e o Cavalo abriu uma boa vantagem de 23/18. O set parecia encaminhado, porém, Ítalo, levantador de Itapetininga foi para o saque e forçou diversos erros de recepção da equipe da casa. Isso, somado a uma invasão por cima de Jotinha, levou os visitantes a empatar em 23/23. Novamente houve um equilíbrio e Ribeirão conseguiu a vitória por 26/24 num ace espetacular de Gabriel.

O quarto set foi marcado por diversos erros de ambas as equipes. Ribeirão abriu vantagem logo no início, contando com ótimo saque de João Paulo, e abriu 11/6. O restante do set foi novamente muito equilibrado, com Ribeirão abrindo vantagem aos poucos, tendo em certo momento 8 pontos de vantagem, ao fazer 23/15. Daí foi só administrar e num ponto de bloqueio de Gabriel, a equipe fechou o jogo, e o campeonato, em 3 sets a 1.

“Coroamos uma temporada, com a conquista da Taça Prata e da Superliga B e estamos na história da cidade. Ribeirão Preto merece tudo pela torcida que tem e pelo apoio ao esporte. A emoção que todos nós estamos sentindo é algo inexplicável”, comemorou o técnico Marcos Pacheco.

Com 20 pontos, o oposto Rafael foi o maior pontuador do Vôlei Ribeirão e o melhor em quadra. “Essa equipe me ajudou demais desde o primeiro dia em que cheguei na cidade. Fechar o jogo do título como o maior pontuador é algo muito gratificante”, disse o camisa 1.

O jogo final marcou também o último ato de André Nascimento, de 39 anos, atleta do Itapetininga, campeão olímpico e mundial com a Seleção Brasileira, como jogador. O camisa 9 e capitão recebeu uma belíssima homenagem ao final do primeiro set, por parte da diretoria do Vôlei UM e, posteriormente, também foi homenageado pelo presidente do Vôlei Ribeirão, Lipe Fonteles, também campeão com o Brasil, no Rio, em 2016. “O André merece todas as nossas reverências por ter feito parte de uma geração de ouro que mudou o nosso esporte”, declarou, seguido de aplausos de toda a Cava do Bosque.

Ribeirão terminou a competição com cinco vitórias e duas derrotas na fase classificatória, venceu Uberlândia-MG nas quartas de final por 2 jogos a 0, garantiu a classificação para a Superliga A, principal objetivo da equipe, ao vencer de virada a APAN/Blumenau-SC por 2 jogos a 1 para chegar à decisão.

No total, foram 13 jogos, 10 vitórias, 3 derrotas, 34 sets ganhos e 16 sets perdidos.

O título consagra uma primeira temporada vitoriosa do Cavalo Ace. Em nove meses de existência Ribeirão disputou o Campeonato Paulista, terminando a primeira fase fora da zona de classificação. Logo após, disputou a Taça de Prata, competição que daria a vaga à Superliga B e foi o campeão, batendo justamente Itapetininga na final, por 3 sets a 2. O título da Superliga B, junto da classificação à Superliga A, encerraram este primeiro ciclo.

A partir de agora, a equipe irá planejar a próxima temporada, que trará pela frente, além do campeonato estadual se iniciando no segundo semestre, a Superliga, que começa já em outubro e será o grande desafio da equipe do presidente Lipe Fonteles.

Texto e foto: André Coutinho

%d blogueiros gostam disto: