Mar doce: conheça as praias em rios, lagos e represas do interior paulista

Praias são locais para diversão. Esportes, banhos de sol, descanso, reunião de amigos e famílias – quase sempre uma sensação de bem-estar. Só no litoral são 622 quilômetros e 293 praias. Porém, há tempos ir à praia deixou de ser sinônimo de ficar de frente para o Atlântico. Em São Paulo, 74 municípios se prepararam para bem receber turistas e moradores à beira de volumosos e atraentes rios. Com areia e tudo o mais.

As praias de água doce que oferecem estrutura em meio a belos cenários para se refrescar, com tranquilidade e natureza. São rios, lagos, represas e a maioria dos lençóis subterrâneos, com uma salinidade próxima de zero.

Muitas até se parecem com o litoral mesmo estando a mais de 600 quilômetros do oceano. Esta opção binária de sossego e lazer molhado – sem necessariamente passar por estradas lotadas –, têm convencido muita gente a trocar o mar pelos rios e suas prainhas.

São locais bem estruturados e até com palmeiras. Caso da praia da cidade de Rifaina, na região de Franca, concorrida por sua natureza, belas paisagens, boa gastronomia, muitas aves e as águas represadas pelo Rio Grande – que separa SP e Minas Gerais.

Rio que na capital e grande SP é associado invariavelmente à poluição, o Tietê faz a festa ao longo do percurso que corta o estado, chegando até a divisa com o Mato Grosso do Sul, onde desagua no Rio Paraná. No caminho, cidades como Arealva, Iacanga, Igaraçu do Tietê, Pederneiras e Sabino oferecem uma boa estrutura para quem quer aproveitar as águas do rio e ainda colocar o pé na areia.

Em outra ponta do estado, Rosana, cidade mais distante da capital, se destaca justamente por tudo o que vem da água doce. A pesca, por exemplo, é beneficiada por dois rios que se encontram justamente naquela esquina: o Paranapanema que a separa do Paraná, e o Paraná, limítrofe com o Mato Grosso do Sul – uma típica tríplice fronteira. É água que não acaba mais, de onde são tirados tucunarés, pintados, jaús e outros peixes menos famosos.

Para quem não pesca, o Balneário da cidade é lugar ideal para se divertir com a família e amigos. O local possui banheiros com duchas, estacionamento, quadras de areia, campo de futebol, playground para as crianças, policiamento e corpo de bombeiros. Oferece ainda quiosques equipados com churrasqueira e energia. Para os mais animados, esportes náuticos como esqui, caiaque e mergulho nas águas claras do Rio Paraná, onde, em sua proximidade, encontra-se uma embarcação submersa da década de 20, utilizada na Revolução Paulista dos Tenentes.

Com o mesmo nome do rio que a banha, Paranapanema, da região de Sorocaba, abrange um quinto da Represa de Jurumirim – que toda em dez municípios no centro-sul do estado. Jurumirim vem do tupi e significa “foz pequena”. Tem cerca de 100 quilômetros de comprimento e, em alguns trechos, ultrapassa os três de largura. Destaques de Paranapanema: Praia dos Holandeses, Praia Branca e Ilha do Sol.

Outra pequena notável das águas doces é Rubinéia, margeada pelo Rio Paraná, em outro entroncamento: divisa com o Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Os nomes das praias são sugestivos: Praia do Sol, Paia da Esmeralda e Praia do Pedregulho Cor de Rosa.

Com uma forte vocação para o turismo náutico, é o destino ideal para esportes aquáticos e pesca esportiva. As praias contam com uma infraestrutura e a gastronomia à base de peixe que já virou marca registrada. Sobre as águas, um dos grandes atrativos da cidade é a Ponte Rodoferroviária que vai até Mato Grosso do Sul.

Leia Mais

W Sports
Espaço Publicitario