Meia do Fogão defende treinador e usa exemplo do técnico Tite quando estava no Corinthians

Não há mais como esperar, a necessidade do Botafogo-SP vencer uma partida fora de casa chegou, e precisa ser neste sábado contra a equipe do Macaé-RJ.  Para um bom resultado nesta partida, os jogadores com mais bagagens no futebol precisarão carregar esta responsabilidade mais que outros jogadores.

Estamos falando especificamente de Gladstone, Morais e Edno, que vieram de fora, e ,Vitinho, Francis e Samuel Santos, pelo tempo de casa, e pelas conquistas que já tiveram no clube tricolor, como o título do Campeonato Brasileira da Série D.

Não cabe mais erros e nem desculpas. O jogo contra o Macaé no litoral norte do Rio de Janeiro deve ser encarado como se fosse o primeira jogo do mata-mata, da segunda fase da Série C.

Nem mesmo o empate será bom para o Botafogo-SP. Quem disse isso, foi Samuel Santos em entrevista a imprensa esta semana. O meia Morais, também teve o mesmo discurso.

O jogo do ano passado entre o tricolor de Ribeirão e Macaé-RJ, foi mais pesado, mais tenso. Se perdesse para o Botafogo naquela oportunidade  o time do Rio de Janeiro estaria rebaixado. O encontro terminou empatado, com o Botafogo classificado e o Macaé livre do rebaixamento.

Apesar do adversário estar de novo na zona do rebaixamento, não será esta partida, que decidirá sua queda para a Série D em 2018. A esperança do torcedor botafoguense, está na reunião realizada nesta semana em Santa Cruz entre jogadores, comissão técnica e diretoria.

Morais, não considerou como novidade a reunião da semana. “ Achei a reunião normal para um time que perde dois jogos consecutivos. Isso acontece em qualquer clube. A cobrança foi feita com respeito”. Na reunião, Gerson Engracia ressaltou a importância do clube estar na Série B em 2018. Ano do Centenário do tricolor.

O experiente meia disse ter um sentido um clima ruim dentro e fora do clube depois da derrota por 1 a 0 para o Joinville.        “ Eu nunca tinha vivido isso, ver um clima estranho, mesmo com o time sendo líder do grupo e tendo uma das melhores campanhas do campeonato. Depois que perdemos do São Bento, o clima pesou mais”.

O ex-meia do Corinthians e Vasco, também comentou a pressão da torcida sobre Rodrigo Fonseca. “ É uma covardia chamar nosso treinador de burro. Ele é bom treinador e passou boa parte do campeonato na liderança do grupo”.

Para defender o técnico, Morais,  chegou a usar um exemplo que viveu no Corinthians com o técnico Tite. “ Quando o Corinthians foi eliminado pelo Tolima da Colômbia, na Pré -Libertadores de 2011, xingaram o Tite e o chamaram de burro. Depois disso, ele foi campeão do mundo com o time , e hoje, é  técnico da seleção brasileira”.

Rodrigo Fonseca,  também ganhou apoio dos demais jogadores. Nas entrevistas durante a semana os atletas fizeram questão de afirmar que estão fechados com ele.

 

Foto – Agência Botafogo: Rogério Morotti

%d blogueiros gostam disto: