Página Inicial Notícias Aleitamento materno tem impacto econômico, social e ambiental

Aleitamento materno tem impacto econômico, social e ambiental

Escrito porWsports 8 08America/Sao_Paulo setembro 08America/Sao_Paulo 2016

saude_aleitamento

Prática é amplamente apoiada pelo Amparo Maternal como um dos componentes da Humanização do Parto e Nascimento promovida pela Instituição

Todos os anos, no mês de agosto, celebra-se a Semana Mundial de Aleitamento Materno, que este ano teve como tema “Amamentação: Uma chave para o Desenvolvimento Sustentável”. O objetivo da ação foi promover o aleitamento materno de maneira ampla, pois além dos benefícios já conhecidos que a prática traz à saúde da mãe e do bebê, o aleitamento também tem impacto econômico, social e ambiental.


“Acredita-se que a promoção e incentivo ao aleitamento materno representem benefícios financeiros não só para as famílias envolvidas no processo, mas também à população em geral, uma vez que os custos decorrentes de infecções e outros agravos pela falta de proteção transmitida pelo aleitamento materno são imensuráveis”, explica Denise Alves de Freitas, Gerente Técnica Administrativa do Amparo Maternal.

Outro ponto destacado pela especialista é o potencial de impacto social do aleitamento materno, uma vez que o ato promove a aproximação familiar, possibilitando uma mudança de comportamento e fortalecendo os vínculos afetivos. A prática também tem impacto ambiental. “O aleitamento materno exclusivo pode evitar a geração desnecessária de resíduos decorrentes da alimentação artificial”, enfatiza Denise.

No Amparo Maternal, as mães recebem dicas para contornar as principais dificuldades encontradas no aleitamento, como fissura nas mamas, ingurgitamento do leite, mastite e pouca produção de leite, além de orientações durante as mamadas no alojamento conjunto. O incentivo ao aleitamento materno começa no ambulatório de pré-natal, passando pelo curso de gestantes e chegando ao momento do parto. “O contato pele a pele da mãe com o bebê é favorecido e o aleitamento é estimulado logo na primeira meia hora de vida do recém-nascido” detalha Denise, que é enfermeira especialista em Obstetrícia, Gestão e Cardiologia.

Foto: Im Press
Fonte: Im Press

tres_estrelas_assinatura

[widgets_on_pages id=”saude”]