Página Inicial Mais futebol Clubes da Série A prestam homenagens à Chapecoense

Clubes da Série A prestam homenagens à Chapecoense

Escrito porGuilherme Galdino 2 02America/Sao_Paulo dezembro 02America/Sao_Paulo 2016

O futebol brasileiro está de luto. A tragédia com a delegação da Chapecoense, que envolveu atletas, comissão técnica, jornalistas e tripulação, abalou profundamente os clubes de todas as partes do país e de todas as divisões. Todos têm realidades semelhantes, vivem rotinas parecidas e sentem muito a tragédia que devastou a cidade catarinense. Os clubes da Série A do Brasileirão promoveram homenagens às vítimas do acidente da Chapecoense nos últimos dois dias.

América Mineiro


O América Mineiro realizou uma oração e cancelou o treinamento da última terça-feira (29), no CT Lanna Drumond. O lateral Gilson foi companheiro do atacante Kempes, uma das vítimas do acidente e que defendeu o Coelho na temporada de 2011. O jogador do América prestou as homenagens ao amigo, em entrevista ao site oficial do clube.

– É um momento muito difícil para falar desta tragédia que aconteceu. Colegas de profissão, amigos… Trabalhei com alguns jogadores de lá e tinha um contato diário com o Kempes. Inclusive, há quatro dias, falei com ele e desejei boa sorte na final (Copa Sul-Americana). Infelizmente aconteceu isso. Desejo a todos os familiares muita força. Que Deus possa confortar os familiares neste momento triste que nosso futebol está vivendo com a perda das pessoas que estavam naquele avião – desejou Gilson.

Atlético Mineiro

O Galo iluminou de verde a sede de Lourdes, sede social e administrativa do clube alvinegro. O Atlético Mineiro seria o último adversário da Chapecoense no Brasileirão, em jogo agendado para a Arena Condá. O clube mineiro, no entanto, enviou ofício à CBF informando que não participará da partida.

Atlético Paranaense

O Furacão também usou a principal cor do time catarinense como homenagem. A Arena da Baixada foi iluminada de verde, e os torcedores do Atlético Paranaense fizeram uma oração em frente ao estádio, em memória das vítimas do trágico acidente na Colômbia.

Botafogo

Como homenagem aos jornalistas botafoguenses vítimas do acidente, Guilherme Marques e Guilherme Van Der Laars, ambos da TV Globo, o clube anunciou que vai nomear duas cabines de imprensa do Estádio Nilton Santos com os nomes dos profissionais. Na entrevista coletiva da última quarta (30), Rodrigo Pimpão relembrou com carinho do amigo Arthur Maia, com quem atuou no América-RN, em 2014.

– Ontem acordei, vi a notícia no celular e acabei acordando a minha esposa. O Arthur era um companheiro, frequentava a minha casa. Trocamos até camisa no último jogo. Meu filho e minha esposa estavam esperando ele acabar o treinamento para dar um abraço. Isso marca e ontem a minha esposa usou o dia inteiro a camisa dele. Fico imaginando se fosse comigo, o que iria fazer? Pensamos nesses jogadores e nos familiares deles e da imprensa. É triste, um momento difícil, mas sabemos que estarão brilhando sempre – declarou o atacante alvinegro.

Corinthians

O Corinthians quebrou um grande protocolo de sua história. Pela grande rivalidade com o Palmeiras, o Timão não estampa a cor verde em seu site. Entretanto, diante das homenagens à Chapecoense, o Alvinegro do Parque São Jorge alterou a cor principal de seu site, ignorando qualquer rivalidade.

Coritiba

Em lembrança aos jornalistas, tripulantes e a delegação da Chapecoense vítimas do acidente aéreo na Colômbia, a diretoria do Coritiba marcou um culto ecumênico no Couto Pereira – estádio onde seria disputado o jogo de volta, no dia 7 – no mesmo dia em que a partida aconteceria, a partir das 20h30, com término previsto para 21h45, horário em que a bola deveria rolar. O Coxa convidou torcedores de todos os times para participar da cerimônia.

Cruzeiro

A Raposa cumprimentou, por meio de nota oficial, o Atlético Nacional, da Colômbia, pela linda homenagem realizada no Estádio Atanasio Girardot, em Medellín (COL). O técnico Mano Menezes concedeu entrevista e lembrou do amigo Caio Júnior, treinador da Chapecoense.

– Senti o que todas as pessoas sentiram. Primeiro uma incredulidade, por ter visto as pessoas numa grande felicidade horas antes, por uma temporada muito boa, de estar na final da Sul-Americana, e logo, algumas horas depois, receber a notícia de que essas pessoas não estariam mais entre a gente. Foi muito duro. Principalmente por causa do Caio. Na minha primeira equipe profissional, o Caio foi o centroavante. Foi ele quem me indicou ao Paulo Autuori para meu estágio aqui no Cruzeiro [em 1997]. Ele faz parte da minha vida profissional, com muita intensidade – relembrou Mano.

Figueirense

Único conterrâneo da Chapecoense na Série A, o Figueirense também prestou as devidas homenagens. O clube anunciou que a sala de imprensa do Orlando Scarpelli irá receber o nome do jornalista André Podiacki, do Diário Catarinense, torcedor do Figueira e vítima do acidente. O cinegrafista da RBS, Djalma Araújo, também vitimado na tragédia e que participava do dia a dia do clube, será homenageado com um espaço dentro da sala de imprensa do Centro de Formação e Treinamento do Cambirela.

Flamengo

Semelhante ao que fez o Figueirense, o Rubro-Negro anunciou uma homenagem ao jornalista Victorino Chermont, da FOX Sports, e vai batizar a sala de imprensa do Ninho do Urubu, centro de treinamentos do clube no Rio de Janeiro, com o nome do profissional. Além disso, o time carioca entrará em campo contra o Atlético-PR, na última rodada, com o escudo da Chapecoense bordado ao lado do próprio escudo na camisa.

Fluminense

O Tricolor fez uma oração junto com a imprensa e comissão técnica na última quarta-feira (30) em memória das vítimas do acidente em Medellín. Assim como Fla e Figueira, o Flu anunciou que vai nomear a sala de imprensa do novo CT da Barra com o nome de Paulo Julio Clement, jornalista da FOX Sports e tricolor de coração. Dudu, que atuou por dois anos na Chapecoense, relembrou os bons momentos que viveu na cidade.

– Eu falei com três amigos que são de Chapecó. É uma cidade pequena, que vive para a Chapecoense. Vai fazer o que quarta-feira à noite? Ir para o estádio. Domingo, vai fazer o quê? Vai à Arena ver a Chape. É uma torcida, um povo acolhedor, querido. Só quem passou por lá sabe do que estou falando. Eu tive a felicidade de ter meu filho nascendo lá. É uma cidade que já tinha me marcado por isso, pela minha esposa ter gostado de morar lá. É um clube que jamais sairá da minha memória, por tudo que vivi – afirmou o meia, em entrevista ao site oficial do Flu.

Grêmio

O técnico Renato Gaúcho, ídolo do clube gaúcho, concedeu entrevista coletiva na última quarta-feira (30) com a camisa da Chapecoense. Emocionado, Renato relembrou momentos da carreira, e prestou solidariedade às famílias. Os atletas do Grêmio fizeram uma corrente de oração no CT Luiz Carvalho.

Internacional

Às margens do Rio Guaíba, em Porto Alegre, o Beira-Rio foi iluminado de verde como homenagem ao clube catarinense. Na partida contra o Fluminense, pela última rodada, o Internacional entrará com uma camisa em honra das vidas perdidas no acidente aéreo: será usado um patch com o clube da Chapecoense na camisa do Inter.

Palmeiras

Em nota oficial, o campeão brasileiro prestou homenagens à Chapecoense, relembrando que recebeu a última partida da equipe catarinense antes da tragédia na Colômbia. Segundo a publicação, o duelo foi disputado “em completo clima de respeito, profissionalismo e lealdade”. O Verdão também lembrou os ex-palmeirenses vítimas do acidente: Caio Júnior, Josimar, Ananias e Mário Sérgio Pontes de Paiva.

Ponte Preta

O site oficial da Ponte publicou uma entrevista com o zagueiro Grolli, que revelou um pedido de liberação do clube campineiro para ir a Chapecó (SC) prestar solidariedade com as pessoas que sofrem. O defensor, revelado pela Chapecoense, relembrou os primeiros momentos da trajetória no futebol.

– Está sendo muito difícil. Pessoas que convivi grande parte do meu início de carreira. Certamente se não fossem por eles eu não estaria aqui. É difícil admitir e aceitar o que aconteceu. Infelizmente aconteceu e agora é torcer para que os familiares, que estão sofrendo ainda mais, consigam ter esse apoio e consigam superar essa dura realidade – desejou Grolli.

Santa Cruz

O Santa publicou a nota oficial lançada pelo Atlético Nacional, que declarava a Chapecoense como campeã da Copa Sul-Americana. Ao site oficial do clube, o zagueiro Danny Morais, ex-jogador da Chape, falou em nome da equipe sobre a tragédia.

– Qualquer tipo de solidariedade e de homenagem têm que ser feito, mas não diminui nada a dor e o sofrimento de uma coisa que parece que não caiu a ficha ainda, que todos custamos a acreditar. Neste momento, o que podemos fazer é dar apoio aos familiares e aos habitantes de Chapecó. A cidade vive pelo futebol, e realmente houve um abalo. Não foram só pessoas ligadas ao futebol que sofreram. É uma situação complicada – lamentou o defensor.

Santos

Capitão do Peixe, Ricardo Oliveira lembrou um lindo momento. Em entrevista ao site do clube alvinegro, o atacante contou que, após a partida entre Santos e Chapecoense na Arena Condá, no dia 23 de outubro, os jogadores se encontraram no vestiário.

– Lamento porque perdi amigos e companheiros de profissão. Parece que foi ontem que estive com eles lá em Chapecó, quando eles foram no vestiário depois do jogo e a gente se abraçou, desejamos sorte na Sul-Americana. A nossa cabeça fica em um grande conflito, porque entendemos que corremos os mesmos riscos. Mas é muito triste ver os familiares passando por isso, é muito triste – contou Ricardo.

São Paulo

Diretor executivo de futebol do clube, Marco Aurélio Cunha demonstrou, em nome do São Paulo, toda a tristeza por conta da tragédia. O clube também prestou homenagem aos dois atletas vítimas do acidente que já vestiram a camisa tricolor: o lateral Mateus Caramelo (emprestado) e o meio-campista Cléber Santana.

– Estou constrangido, magoado e sofrido por tudo que aconteceu com a Chapecoense. A instituição nunca morre, temos que ajudar a prosseguir com ajudas relevantes. Vou emprestar que atleta? Um atleta que eu não quero? Só vou ajudar com coisas boas, positivas, e não com algo que não seja ajuda verdadeira. Isso é uma obrigação – declarou Cunha.

Sport

O Leão da Ilha prestou uma grande homenagem a Cleber Santana, capitão da Chapecoense revelado pelo Sport, e que já atuava com a camisa rubro-negra em 1997. O meia foi descrito como “um filho sair de casa, conhecer o mundo, crescer e amadurecer”. Outro homenageado pelo clube pernambucano foi Ananias, que atuou pelo Leão em 2014. Apodi, ex-jogador da Chape, relembrou o bom ano que teve com a camisa verde em 2015.

– Foi uma tristeza enorme. Até agora quero não acreditar. Eu tinha muitos amigos lá. Passei uma temporada com um grupo sensacional. Eram amigos de verdade, saíamos para jantar com as esposas, os filhos deles me adoravam – disse, emocionado, o lateral.

Vitória

Muita emoção marcou a reapresentação dos jogadores do Vitória na tarde desta quinta (1º), após repouso na quarta. Antes do início do primeiro treinamento da semana, jogadores, integrantes da comissão técnica, dirigentes, funcionários e jornalistas se uniram em oração no centro do campo do Barradão.

O Rubro-Negro anunciou que vai utilizar a camisa da Chapecoense na partida contra o Palmeiras, dia 11, às 16h, no Manoel Barradas, em homenagem ao clube catarinense. Além dos uniformes trocados, o clube baiano prestará homenagens ao ex-rubro-negros presentes na tragédia: Mário Sérgio, Arthur Maia, Dener, Cléber Santana, Gil, o técnico Caio Júnior e os profissionais Duca e Pipe Grohs.

Fonte: Confederação Brasileira de Futebol