Para alcançar principal objetivo, Federação Chinesa altera regras para transferência de jogadores estrangeiros

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on skype
A janela de transferência do Campeonato Chinês está prestes a abrir novamente. No dia 14 de junho, os times do país asiáticos podem voltar a comprar jogadores de todo o planeta. Normalmente, esse evento assusta principalmente o mercado brasileiro, que perdeu nos últimos tempos bons jogadores, como Diego Tardelli, Renato Augusto, Marinho entro outros.
Mas dessa vez parece que o canhão de dinheiros chinês estará voltado para o mercado europeu, mais especificamente no setor ofensivo. Segundo fontes da imprensa europeia, Diego Costa, Wayne Rooney e Bas Dost são os principais candidatos a se mudarem para a China.
[the_ad id=”55469″]
Porém, uma nova regra pode mudar o alto investimento chinês. A Federação de Futebol local tomou uma atitude muito inteligente. A partir da próxima janela, o valor gasto na contratação de um jogador estrangeiro será cobrado 100% para ser dado ao Estado. Por exemplo: se uma equipe gastar US$ 30 milhões em um jogador, outros US$ 30 milhões deverão ser pagos ao governo, uma espécia de “multa”.
E tem mais. Além disso, para cada jogador estrangeiro em campo numa partida oficial, um atleta chinês sub-23 deverá ser escalado também. A iniciativa ficou clara, e com certeza dará resultados, já que a principal meta da Federação é fortalecer a qualidade dos seus jogadores a longo prazo.
[the_ad id=”55840″]
Atualmente, o Campeonato Chinês é liderado pelo Guangzhou Evergrande, do técnico Luiz Felipe Scolari e do volante Paulinho. O Shanghai SIPG, de Oscar e Hulk, vem em segundo, e o Hebei Fortune, de Hernanes e Lavezzi, fecham o “G3”, que dá vaga à Champions asiática em 2018.

 

Leia Mais

W Sports