Prefeito assina carta de intenção para receber Centro de Referência Paralímpico

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram
Share on skype

Na tarde desta quarta-feira, dia 23 de junho, o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira, e os secretários de Esportes, André Trindade, e da Casa Civil, Ricardo Aguiar, assinaram a carta de intenção para implantar na cidade o Centro de Referência Paralímpico Brasileiro, em parceria e sob orientação do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

A unidade vai fomentar, em parceria com a Escola de Educação Física e Esportes da Universidade de São Paulo (EEFERP/USP) de Ribeirão Preto, a prática de modalidades paradesportivas, da base ao treinamento de alto rendimento, para fortalecer o desenvolvimento do esporte paralímpico nacional.

UNIMED

“Essa é mais uma ação para tornar nossa cidade cada vez mais inclusiva”, comentou o chefe do Executivo. 

Na EEFERP/USP, serão realizadas atividades de preparação de atletas, formação de recursos humanos e desenvolvimento de pesquisa, segundo prevê protocolo de intenções destinado para essa finalidade, entre os parceiros envolvidos e pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Parte das atividades será viabilizada pelo próprio CPB, com a contratação de um gestor local, e ainda aproveitando as aulas e cursos de extensão da EEFERP/USP. Haverá, também, a capacitação de mão de obra especializada com cursos das modalidades específicas ministrados pelo próprio CPB.

O Centro de Referência Paralímpico de Ribeirão Preto (CRP/RP) atenderá crianças de seis a 17 anos, com qualquer tipo de deficiência e elegível para a prática esportiva, usufruindo de acompanhamento especializado de professores de educação física, fisioterapeutas e nutricionista, entre outros, para prática esportiva, inicialmente de forma lúdica e com vistas à detecção de talentos esportivos nas modalidades ofertadas pelo CRP/RP.

A previsão é de que até o final do seu primeiro ano, o projeto beneficie cerca de 80 alunos/atletas nas modalidades Natação e Atletismo nas mais variadas provas (pista e campo). Outras modalidades paralímpicas, como halterofilismo, esgrima em cadeira de rodas, basquete em cadeira de rodas, rúgbi em cadeira de rodas, parabadminton, goalball, vôlei sentado, entre outros, poderão ser desenvolvidas pelo projeto.

Leia Mais

W Sports