“Sem vaidades podemos fazer um grande campeonato”, afirma Mascarenhas

O lateral-esquerdo recém-contratado pelo Botafogo-SP, Matheus Mascarenhas, 19 anos, é ainda muito jovem, porém, o garoto esbanja confiança e personalidade. A pouco mais de duas semanas em Ribeirão Preto, o jogador afirma que adaptação está sendo bastante tranquila.

“Eu cheguei ao Botafogo com a meta de fazer o meu melhor, fazer um grande campeonato paulista. O grupo me recebeu muito bem, todos me deram bastante moral e com isso espero fazer o meu melhor e junto aos meus companheiros fazer um bom campeonato”, afirmou Mascarenhas.

Drogao 700×400

A pouca idade é um ponto sempre associado ao jogador, mas apesar de ser apenas um garoto, o atleta já realizou 4 partidas na primeira divisão do futebol nacional e tem passagens por seleções de base. Para ele, o fator idade não é de grande importância.

“Apesar de ser jovem, o que eu acho que não interfere em nada, porque no meu modo de pensar a idade fica mais no papel, eu tenho uma certa experiência pois fiz 4 jogos no brasileirão, todos como titular, joguei um clássico, fiz gol e passei por seleções de base, disputando um sul-americano. Eu acho que se o grupo se unir e não tiver vaidade, o que eu percebi que não tem por aqui, vi um grupo onde todos estão afim de trabalhar, acho que podemos fazer um grande campeonato”, contou Mascarenhas.

Confiante, Mascarenhas afirma que seus principais atributos são a velocidade, o drible e o chute. O jogador também destaca suas características ofensivas.

“Eu sou um jogador de muita qualidade técnica, um bom passe, boa finalização. Me considero um jogador bastante habilidoso e estou aperfeiçoando a parte defensiva. Meu ponto forte é o ataque, mas busco evoluir na parte defensiva”, explicou Mascarenhas.

O meio-campista Danielzinho, que também é reforço do Botafogo e pertence ao Fluminense, é velho conhecido de Mascarenhas, ambos foram companheiros na famosa base do clube carioca em xerém. Ele afirma que já conhecer alguns jogadores ajuda na adaptação.

“Acho que influência sim, e tirando o fato de já conhecer o Daniel, ele é um jogador que tem uma qualidade absurda. Ele é muito bom tecnicamente e isso torna mais fácil para qualquer jogador que atue com ele e por ter esse entrosamento com ele, sei o que ele gosta de fazer, o tipo de bolas que ele gosta de tocar”, contou Mascarenhas.

+ Bota acerta com a Poty para 2018

Apesar de ter feito apenas 4 jogos pelo Fluminense, Mascarenhas estava no grupo e vivenciou os momentos difíceis que o time carioca passou em 2017. A briga contra o rebaixamento e o drama pessoal vivido pelo técnico do clube carioca, Abel Braga, que perdeu o filho num acidente doméstico, foram algumas das situações vividas pelo jogador, que define tudo isso como grande aprendizado.

“O ano de 2017 para mim foi muito proveitoso, porque no inicio do ano eu estava jogando a copinha e depois fui integrado ao profissional, onde tive 4 oportunidades e fui bem em todas elas. O grupo foi amadurecendo e apesar de muitos garotos, nós conseguimos a permanência. O Abel teve uma perda brutal na família, o falecimento do filho dele, e isso entristeceu muito a todos e isso nos tornou mais fortes para continuar lutando”, afirmou Mascarenhas.

Foto: Rogério Moroti/ Agência Botafogo

 

Drogao 500×300
Tonin 500×300
Gran Steak 500×300
Novo Shopping 500×300
%d blogueiros gostam disto: