radio-wsports
Clique e ouça aqui!

Siga as dicas de economia e finanças da nossa colunista Bia Felippini. Só comece a investir depois desse checklist!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype

Então você viu muitas pessoas recomendando diversos tipos de investimentos e dizendo que a poupança está te fazendo perder dinheiro. Ficou preocupado e se convenceu: vou começar a investir de verdade!

“Ok, mas e agora? Como começo? O que preciso saber? São tantos tipos! Fico preocupado!”

Bodytech 300X200

O medo do desconhecido é natural, mas o primeiro passou já foi feito, que é ter o desejo de mudar e melhorar nossa vida financeira. Agora, torna-se necessário analisar alguns pontos, para que possamos investir com segurança e dentro dos limites que consideramos aceitáveis. Vamos analisá-los um a um.

Pague suas dívidas

O primeiro passo para a segurança financeira é extinguir suas dívidas. Isto porque elas te cobram altos juros e isso consome uma parte significativa do seu dinheiro.

Importante: dificilmente você encontrará uma aplicação financeira que te dê um retorno maior do que o gasto que você tem com os juros das suas dívidas! Portanto, antes de mais nada, procure quitá-las!

Com as dívidas organizadas, é recomendado organizar os gastos a fim de evitar criar novas, apenas fazendo novas aquisições após um planejamento.  

Tenha objetivo(s)

Para que eu quero economizar e investir?

Você pode começar a investir para ter uma renda extra ou para realizar sonhos com prazos específicos como casar, fazer um curso, um intercâmbio ou ter filhos. Descubra o motivo pelo qual você quer esse dinheiro e em quanto tempo pretende tê-lo em mãos, porque será necessário levar isso em conta quando for escolher em que investir.

Monte sua Reserva de Emergência

O que preocupa muitas pessoas que começam a investir sem um preparo é não ter uma quantia guardada para casos de emergência. São consideradas “emergências” situações eventuais como consertar um carro que quebrou, comprar remédios ou até mesmo se sustentar caso você perca seu emprego.

É necessário ter uma quantia reservada para tais situações antes de investir em ativos que possuam liquidez mais baixa.Liquidez significa a facilidade (rapidez) com a qual você pode resgatar o dinheiro investido.

Além disso, você precisa estar atento também aos prazos de resgates, pois eles variam dependendo de cada investimento.Em regra, você precisa respeitar esses prazos, pois caso resgate antes da data estabelecida, receberá uma remuneração menor e pagará mais imposto. Portanto, não coloque todo o seu dinheiro em apenas um tipo de investimento. Diversifique!

Para guardar sua reserva de emergência, o melhor é escolher um investimento com liquidez diária, já que você pode precisar resgatar o valor a qualquer momento.

A quantidade a ser guardada para compor essa reserva pode variar de 6 a 12 meses do montante dos seus gastos regulares, dependendo das particularidades da sua vida financeira. Por exemplo: caso você gaste R$ 2 mil em um mês para se manter e tenha uma vida bastante estável (com emprego público, poucos dependentes ou aposentado, por exemplo), pode guardar R$ 12 mil, correspondentes a 6 meses.

Esse é um cálculo bastante pessoal. Apenas você, conhecendo sua vida e sua família, poderá encontrar o que mais considera adequado.

Conheça seu perfil de investidor

Existe uma infinidade de investimentos, mas nem todos se adequarão ao seu perfil. Para evitar erros, é muito importante fazer um teste de perfil de investidor, já que ele te dará um norte de quais são os investimentos mais adequados a você.

Há muitos testes disponíveis online, e algumas corretoras disponibilizam estas avaliações assim que você abre sua conta. Como resultado, você pode ser considerado como perfil conservador, moderado ou agressivo.

Os conservadores são aqueles que buscam se afastar do risco, mesmo que isso signifique uma rentabilidade um pouco menor, de modo que preferem os investimentos de renda fixa. Os moderados já aceitam mais uma parcela de risco em sua carteira, buscando diversificar inserindo um pouco de renda variável também. Já os agressivos são aqueles que estão dispostos a arriscar mais, cientes de que a busca de grandes ganhos implica também em maiores riscos quando se aplica em ativos de renda variável.

Analise os prós e os contras dos investimentos adequados ao seu perfil

Para um mesmo tipo de perfil existem diversas alternativas de investimentos. No entanto, eles podem variar no tipo (renda fixa ou variável), na liquidez, na rentabilidade, no prazo de carência, no valor mínimo para comprar e se há ou não garantia do FGC.

Na renda fixa, você empresta o seu dinheiro a um banco, empresa ou para o governo em troca de uma rentabilidade futura. Já na renda variável você compra parte de um negócio, e não tem certeza do resultado. Você poderá ganhar muito dinheiro, mas poderá perder também. Portanto, aplicar em renda variável exige mais preparo e estudo.

Novamente, nesse caso deve ser considerado qual é o seu objetivo. Caso você esteja planejando uma viagem para daqui a alguns anos, por exemplo, você pode considerar ativos com prazo de vencimento maiores. Também deve ser considerado o quanto você pretende investir, já que há ativos que apenas podem ser comprados a partir de um valor mínimo.

Quanto ao FGC, sigla para Fundo Garantidor de Créditos, este é uma associação civil através da qual os bancos montam um mecanismo de proteção aos investidores de alguns ativos de renda fixa. Funciona assim: caso o banco em que você esteja investindo entre em falência, por exemplo, você estará seguro em até R$ 250 mil, pois o FGC te pagará até esse valor, sem que você perca seu dinheiro. Alguns investimentos não são cobertos pelo FGC, então esse também é um fator que você deve considerar.

Nunca deixe de pesquisar e experimentar

O mercado de capitais está em constante atualização e é influenciado por inúmeros fatores sociais e políticos. Manter-se atualizado é uma forma de garantir que seu dinheiro está sendo tratado da melhor forma possível. Experimentar também é sempre uma boa opção, desde que feita aos poucos e com responsabilidade e calma. Muito embora a renda fixa ainda chame a atenção por sua segurança, a renda variável possibilita uma rentabilidade bastante alta para quem esteja disposto a estudar as opções e investir de uma maneira mais audaciosa

Leia Mais

W Sports