Site oferece visita virtual à Amazônia aos internautas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no skype

Bodytech 300X200

Enquanto as viagens aos destinos turísticos brasileiros seguem alteradas devido à pandemia do novo coronavírus, o Google disponibilizou uma amostra para quem tem saudades ou ainda não conhece a Região Amazônica e arredores. Por meio da plataforma “Street View”, os internautas podem observar imagens em 360º dos rios, da floresta e das comunidades na Reserva do Rio Negro, situada entre os municípios de Manacapuru, Iranduba e Novo Airão, no Amazonas. O projeto contou com a participação da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), uma organização sem fins lucrativos de conservação local.

Todas as imagens foram feitas por uma câmera com lente olho-de-peixe, colocada em um triciclo, normalmente utilizado pela empresa de tecnologia, capturando todas as belezas de uma trilha da Floresta Amazônica e de cinco comunidades ribeirinhas local. Além disso, o equipamento ainda foi colocado em um barco com o intuito de coletar as vistas para o Rio Negro, o mais extenso rio de água negra do mundo. 

Além de estar disponível para os internautas que pretendem desfrutar deste destino, as imagens, segundo a empresa, são de grande valia para pesquisadores, cientistas e exploradores do mundo inteiro, para que aprendam mais sobre o Rio Amazonas e entendam melhor como as comunidades locais trabalham para preservar este ambiente único para as gerações futuras.

Criada em 2008, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Negro é uma unidade de conservação do Governo do Estado do Amazonas com o intuito de proteger o meio ambiente e a vida das comunidades que habitam esta área. A administração da reserva é de responsabilidade do Centro Estadual de Unidades de Conservação (CEUC) da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (SDS/AM). Para mais informações, clique aqui.

Edição: Rafael Brais

Leia Mais