Time pernambucano da Série D chega atrasado em um ônibus escolar, toma três gols, mas consegue virada aos 49′ do 2º tempo

Tudo começou em 2016, no Campeonato Pernambucano daquele ano. O jovem Clube Atlético Pernambucano, da cidade de Carpina, aproximadamente 50 quilômetros da capital Recife, fundado em 8 de março de 2006, fez uma primeira fase regular no campeonato estadual. Por conta disso, a equipe foi obrigada a disputar o Hexagonal do Rebaixamento, onde os seis piores times se enfrentariam para ver quem seria rebaixado ao segundo nível no estado.
Apesar de estar entre os piores do torneio, o Atlético terminou em primeiro no hexagonal após 10 jogos (turno e returno, todos contra todos), alcançando 20 pontos. Não só isso. Além da liderança, o Tatu-bola, como é conhecido por conta do seu mascote, alcançou uma vaga à Série D do Campeonato Brasileiro de 2017, após a desistência do Serra Talhada.
No início desse ano, as coisas não pareciam promissoras. A equipe novamente ficou entre as piores do Campeonato Pernambucano, mas dessa vez não evitou a queda para a segunda divisão. Apesar disso, o clube se reorganizou às pressas, já que dois meses depois começaria a Série D.

 

[the_ad id=”55469″]

Unimed 300X200

[the_ad id=”55840″]

 

No último domingo, nada poderia ser tão inusitado. O time, que estreava em casa contra o Campinense, chegou 25 minutos atrasado no local da partida. O motivo? Ônibus quebrado. Mas para tornar a história ainda mais louca, a delegação do Atlético ganhou a carona de um ônibus escolar. Já com o hino nacional executado, a equipe subiu aos gramados em Carpina, e parecia que a tarde seria de pesadelo para a equipe.
Apesar de tudo isso, George abriu o placar para os donos da casa, aos 32 minutos. Depois disso, o Campinense fez valer o favoritismo, e empatou com Augusto, aos 36, e virou com Reinaldo, sete minutos mais tarde. Maranhão ainda fez mais um aos 45, abrindo dois gols de vantagem para os paraibanos.
Se o futebol não fosse uma caixinha de surpresa, todos saberíamos como terminaria a partida – o Campinense continuaria dominando o jogo, faria mais dois ou três gols e voltaria para casa com a vitória, certo? Errado. Os donos da casa voltaram com tudo para a segunda etapa.

 

[the_ad id=”55472″]

 

Logo aos três minutos, César Velez diminuiu o contador. Wellington, camisa dez da equipe, empatou aos 38 minutos, o que já parecia improvável. Mas o time comandado por Gabriel Rocha Lisboa queria mais, e conseguiu. Aos 49, último minutos dos acréscimos, o camisa nove recebeu boa bola, girou e marcou mais um para o Tatu-bola, finalizando o jogo com a incrível virada por 4 a 3 do time pernambucano.
A vitória do Atlético Pernambucano colocou o time na liderança do Grupo 08 ao lado do Fluminense-BA, que venceu o Itabaiana, fora de casa, por 4 a 1. As equipes se enfrentam na próxima rodada, no dia 31 de maio, em uma quarta-feira, às 20h30, em Feira de Santana.

Foto: Reprodução | Twitter

 

Drogao 500×300
Gran Steak 500×300
Novo Shopping 500×300
Tonin 500×300
%d blogueiros gostam disto: